Maconha passa a ser legal no Canadá a partir desta quarta-feira

A liberação, aprovada em agosto, abre um dos maiores mercados da América do Norte para uma indústria que pode render até US$ 4 bilhões só em 2019, e deixa em alerta produtores americanos que temem perder espaço

OTTAWA – A partir desta quarta-feira, 17, a maconha passa a ser legal no Canadá, e o país será o segundo no mundo, ao lado do Uruguai, a autorizar o uso da maconha recreativa. A liberação, aprovada em agosto, abre um dos maiores mercados da América do Norte para uma indústria que pode render até US$ 4 bilhões só em 2019, e deixa em alerta produtores americanos que temem perder espaço para os canadenses.

A legalização foi celebrada não apenas por consumidores, mas pelos principais produtores de álcool do mundo, que captaram o fenômeno de consumidores jovens cada vez mais tendendo a trocar o álcool por bebidas que contenham cannabis.

Pesquisadores da Universidade de Connecticut e da Georgia State University descobriram no ano passado que as vendas de álcool caíram 12,4% nos condados dos EUA onde a maconha medicinal foi legalizada.

A Constellation Brands, a fabricante da cerveja Corona e da vodca Svedka, investiu US$ 4 bilhões de dólares na empresa canadense de maconha Canopy Growth. “O mercado que se abre é potencialmente uma das mais importantes oportunidades de crescimento global da próxima década”, disse o presidente-executivo da Constellation, Robert Sands. As vendas de maconha legalizada e produtos relacionados devem chegar a US$ 200 bilhões em 15 anos.

A Diageo, maior produtora mundial de bebidas alcoólicas, que inclui a vodka Smirnoff e o uísque Johnny Walker, está em conversações com produtores canadenses. A cervejaria Molson Coors também anunciou parceria com a The Hydropothecary Corporation of Canada.

Os fabricantes de refrigerantes, que viram suas vendas sofrerem com os consumidores se afastando das bebidas com alto teor de açúcar, não podem se dar ao luxo de ignorar a crescente demanda. A Coca-Cola está discutindo a produção de bebidas de cannabis com a canadense Aurora Cannabis, e a PepsiCo também estuda o assunto.

A maioria dos produtores está mirando o mercado de tipos de maconha que não se fuma. O consumidor moderno quer extratos, cremes corporais e produtos comestíveis.

O Canadá vai começar com cautela. A partir desta quarta-feira, 17, o país limitará as vendas de maconha à tradicional forma de flor e seus botões secos, e a um óleo, que as empresas planejam vender em cápsulas de gel.

“Projetamos que produtos derivados vão superar as flores em todos os mercados do mundo”, disse Michael Gorenstein, CEO da Cronos Group, uma produtora canadense licenciada com sede em Toronto que tem operações na Europa. Com o tempo, os vaporizadores provavelmente se tornarão a maior categoria, seguidos por produtos comestíveis, tópicos e bebidas.

A cannabis ainda é proibida pela lei federal dos EUA, mas nove estados legalizaram seu uso recreativo, enquanto outros suavizaram sua proibição. Nos estados americanos que legalizaram a maconha, as flores representam 50% do mercado, mas estão em declínio. A consultoria Deloitte projetou em um relatório que, no Canadá, seis de cada 10 prováveis consumidores de cannabis optarão por produtos comestíveis após a legalização.

O Canadá pode chegar a registrar 4,5 bilhões de dólares canadenses (US$ 3,5 bilhões) em vendas de flores em 2019 mas a receita da cannabis poderia aumentar mais 30% se o governo federal aprovar produtos comestíveis e vaporizadores. O Canadá deve autorizar os produtos comestíveis por volta do quarto trimestre de 2019.

Americanos preocupados

Os produtores de maconha dos EUA estão preocupados com uma possível invasão da cannabis canadense no mercado americano. Nesta terça-feira, 16, um grupo deles alertou o presidente Donald Trump do risco de o Canadá dominar o mercado norte-americano e pediu que o presidente tome atitudes para eliminar as barreiras ao financiamento e ao mercado de capitais da maconha no país.

Derek Peterson, CEO da Terra Tech, uma das principais produtoras de maconha da Califórnia, disse que “a invasão é esperada”, já que a lei americana ainda considera que a posse ou uso de maconha é um crime federal. “A preocupação é que o mercado seja dominado por empresas, acionistas e bancos canadenses”, disse Peterson. “A indústria é legal em vários Estados, mas a maioria das empresas não tem acesso a financiamento bancário ou institucional tradicional, o que agora as canadenses têm”, disse. / AFP e W.POST

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here