Eleição no Crea-ES vai parar na Justiça

Dois candidatos proclamam vitória na eleição de sexta-feira e cuja apuração só terminou na madrugada de sábado

Eleição do CREA vaia parar no "tapetão"
Eleição do CREA vaia parar no “tapetão” / Foto: Gustavo Louzada

A eleição para a presidência do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado (Crea-ES) vai parar no tapetão. Dois candidatos proclamam vitória na eleição de sexta-feira e cuja apuração só terminou na madrugada de sábado: a oposicionista Lúcia Vilarinho, ligada ao PT, diz que venceu o pleito por 62 votos de diferença sobre o candidato da situação, Geraldo Ferreguetti; este, por sua vez, afirma que ganhou com uma dianteira de 89 votos.

A confusão

A urna de Linhares chegou a ser impugnada pela comissão eleitoral, mas Ferreguetti conseguiu uma liminar, na Justiça Federal, mandando reconsiderar a eleição na cidade, onde o candidato teve votos suficientes para suplantar Lúcia. Agora o resultado do pleito será decidido pela comissão eleitoral do ES e do DF. Se não houver acordo, será decidido na Justiça.

Placa de sinalização encoberta pelo mato que toma as margens da BR 262
Placa de sinalização encoberta pelo mato que toma as margens da BR 262 Foto: Foto do leitor

Pelas beiradas

O governo do Estado tem convidado aliados muito próximos de Luciano Rezende para eventos oficiais. Trata-se de uma tentativa inicial de aproximação com o prefeito de Vitória, adversário declarado do Palácio Anchieta.

Cortou, deixou

Enivaldo dos Anjos (PSD) apresentou uma PEC que reduz à metade o número de deputados estaduais: de 30 para 15. Enivaldo, aliás, já declarou que pode concorrer ao Senado.

Constatação

A maioria da elite que é contra a reforma da Previdência já está de férias.

O preço da violência

Vereadores de Nova Venécia estão reivindicando que sejam instalados no município uma delegacia 24h e uma unidade do Departamento Médico-Legal.

O consolo

Muita criativa a mensagem do TRE-ES aos eleitores de cidades com voto biométrico. “Torcedores capixabas do @Flamengo: ainda dá para conquistar um título este ano! Corram para a biometria obrigatória em Vila Velha, Ibatiba, Presidente Kennedy e Anchieta. Evitem filas!”

A nova ordem

O Banco Mundial acaba de anunciar o fim do financiamento a combustíveis fósseis a partir de 2019. E o Brasil (e o Espírito Santo também) continua sua corrida louca pelo petróleo.

Que país é este?

O futebol brasileiro hoje tem como características ser violento, ineficiente e corrupto. Como o país.

Alô, preguiça!

Esta é a última semana útil do ano ou a primeira inútil do fim de ano?

Caos na BR

Placa de sinalização encoberta pelo mato que toma as margens da BR 262 em Domingos Martins: abandonada pelo governo federal, a rodovia que traz os turistas de Minas Gerais para o Espírito Santo, principalmente no verão, agoniza. Foto do leitor

Minientrevista

No quarto mandato na presidência da Academia Espírito-santense de Letras, o professor e escritor Francisco Aurélio Ribeiro fala de literatura e do hábito de ler.

Os brasileiros gostam de ler?

Infelizmente, não. A leitura não é hábito cultivado por brasileiros, de modo geral. A leitura de livro, então, não é cultivada nem mesmo entre os profissionais das letras.

O que é preciso fazer para estimular a leitura?

Leitura se aprende em casa, na sociedade e se desenvolve, ou não, na escola. Na verdade, as crianças e os jovens refletem o mundo em que vivem. Se ninguém ao seu redor lê, ela não será diferente

A internet e as redes sociais ajudam?

Não sei ainda. Parece que o povo está lendo muito, pelo menos aquilo que circula nas redes. Se isso irá gerar o hábito de ler livros, revistas, jornais, de pesquisar textos completos e não fragmentos veiculados nas redes, não sei.

Um bom livro, obrigatoriamente, tem que ter…

Uma linguagem bem-cuidada e sedutora, preocupação com a estética, se for literário, com a ética, se for científico. Bom livro é como um bom vinho que, ao chegar ao final, a gente fica com pena de ter acabado e aquele retrogosto de quem apreciou uma iguaria.

Você já aderiu à leitura digital?

Só profissionalmente. Às vezes, participo de júri de concurso literário e sou obrigado a ler livros digitais. Prefiro o velho livro de papel. Livro é igual a gente: precisa do contato humano.

Por:

Leonel Ximenes

Victor Hugo

Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here