‘Fizemos campanha de graça e o presidente não está reconhecendo a nossa importância’, diz Associação Nacional de Militares

O presidente da Associação Nacional de Entidades Representativas de Policiais Militares e Bombeiros Militares (ANERMB), sargento Leonel Lucas Lima, criticou o posicionamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, quanto à inclusão da categoria na reforma da Previdência. Segundo ele, os militares buscam um tratamento igual ao que é dado às Forças Armadas.

A declaração do presidente da ANERMB foi dada durante a abertura do Fórum Nacional da categoria, realizado em Vitória. Segundo ele, o fórum vai debater, além dos projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional que envolvem a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros Militar, as questões relacionadas à questão psicológica e a inclusão da categoria na reforma da Previdência.

“Vamos falar sobre Previdência, que é muito importante, já que todos nós fizemos campanha de graça para o presidente [Jair Bolsonaro] e hoje ele não está reconhecendo a importância dos policiais e bombeiros militares”, declarou o sargento.

Ele também afirmou que a categoria busca, junto à Câmara e ao Senado, o mesmo tratamento que é dado para as Forças Armadas e que o presidente Bolsonaro possa reconhecer a valorização dos militares. “A mesma simetria que foi dada para as Forças Armadas, nós queremos para os policiais e bombeiros militares. Temos uma guerra urbana muito grande no Brasil e quem está à frente disso tudo é o policial militar e o bombeiro militar. São eles que estão no dia-a-dia defendendo uma sociedade que desconhecem quem é”, disse.

“O que buscamos sempre é a valorização dos nossos bombeiros e policiais militares. Até porque, infelizmente, ocupamos o último lugar em questão salarial no país. Precisamos valorizar o profissional e dar condições aos profissionais que defendem a sociedade capixaba”, ressaltou o presidente da Associação de Cabos e Soldados do Espírito Santo (ACS-ES), Cabo Jackson Eugênio Silote.

O presidente da ACS-ES falou também sobre a maior crise da história da segurança pública do Espírito Santo, ocasionada pela paralisação da Polícia Militar, há dois anos e meio. “O que aconteceu em 2017 foi um movimento que a gente nem diz que foi culpa da Polícia Militar, pois houve, por parte da gestão, naquele momento, uma ‘esticada de corda’, que tensionou uma negociação. Não há, hoje, nenhuma hipótese de outro movimento como fevereiro de 2017, pois nós temos diálogo”, afirmou.

O governador Renato Casagrande, que participou da abertura do evento, afirmou que o fórum vai mudar a imagem do Espírito Santo diante dos problemas ocorridos em 2017 e assumiu o compromisso de melhorar as condições de trabalho para os militares. “Esse trabalho responsável pelas entidades começa a mostrar uma face real da Polícia Militar, que todos nós temos orgulho. É meu desejo melhorar as condições [de trabalho], especialmente dos praças, pois sei que, dentro da média brasileira, eles estão abaixo”, disse.

Militares na reforma da Previdência

No início do mês passado, o presidente Jair Bolsonaro disse, em discurso, que os policiais podem “ficar tranquilos” em relação à reforma da Previdência. “A reforma da Previdência atenderá a todos. Fiquem tranquilos meus colegas das forças auxiliares, o sacrifício tem de ser dividido por todos”, afirmou.

A declaração foi direcionada aos policiais militares. Porém, as regras de aposentadoria da categoria não seriam tratadas neste momento da reforma da Previdência, porque são equiparadas às dos militares das Forças Armadas, que serão discutidas em outro projeto.

Fórum Nacional em Vitória

O Fórum Nacional, que acontece no auditório do Tribunal de Contas do Espírito Santo até esta sexta-feira (23), vai debater os principais projetos no Congresso relacionados aos interesses dos militares e, ainda, a importância das instituições militares para a preservação da ordem pública – tema este que será tratado pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Também estarão presentes os palestrantes: Capitão Augusto, deputado federal pelo estado de São Paulo; Capitão Wagner, deputado federal pelo estado do Ceará; Coronel Araújo Gomes, presidente do Conselho Nacional de Comandantes Gerais das policiais e bombeiros militares. Da bancada capixaba serão palestrantes o Senador Marcos Do Val e o deputado federal Da Vitória.

Fonte: Folha Vitória

Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here