Lava Jato tem dificuldade para remontar força-tarefa

Considerada pivô da demissão de oito procuradores da Lava Jato em São Paulo, no último dia 2, a procuradora Viviane Martinez assumirá sozinha os casos da operação a partir de hoje. Ela tem enfrentado dificuldade para montar uma nova força-tarefa, o que pode levar as investigações a serem redirecionadas para outras procuradorias.

Viviane foi acusada pelos procuradores demissionários de conduzir um “processo de desmonte” da Lava Jato desde que assumiu o 5º Ofício, responsável pela operação, em março. Os procuradores disseram que ela vedou novas delações e pediu adiamento de uma operação que atingiria o senador José Serra (PSDB-SP).

Hoje, os últimos quatro procuradores demissionários se desligam da força-tarefa. Viviane já solicitou à Procuradoria-Geral da República (PGR) autorização para se dedicar exclusivamente a casos da Lava Jato – antes ela dividia os trabalhos com outros processos. Segundo levantamento feito por Viviane, a Lava Jato concentra 255 processos. Nos bastidores do Ministério Público Federal (MPF), a atuação de Viviane é vista como uma forma de arquivar ou redistribuir casos para outros órgãos da Procuradoria, esvaziando a Lava Jato em São Paulo.

Segundo o MPF, as investigações da Lava Jato continuam em andamento, e a nova força-tarefa fará uma “avaliação do acervo de investigações”.

Os planos de Viviane incluem chamar no máximo dois colegas para formar uma nova força-tarefa. Procuradores que se candidataram para integrar o grupo em julho retiraram seus nomes, segundo o Estadão apurou, após a renúncia coletiva. O único nome cotado para integrar a Lava Jato paulista é do procurador Paulo Henrique Cardozo, lotado em Oiapoque (AP). Um pedido de transferência foi enviado à PGR. Por nota, Viviane afirmou que foi realizada uma “consulta nacional” entre procuradores, sem informar a data.

Fonte: Noticias ao Minuto

Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here