Movimento de Combate à Violência contra Mulher é lançado no estado

Campanha publicitária do governo abordará o tema nas próximas semanas

Julio Pompeu afirma que é necessário mais que políticas públicas
Julio Pompeu afirma que é necessário mais que políticas públicas

Foi lançado nesta terça-feira o Movimento de Combate à Violência contra Mulher, uma campanha que vai ser veiculada em emissoras de rádio e TV contra o caso. O foco é a violência doméstica, que ajuda o Estado ainda figurar como o 5º que mais mata mulheres no Brasil. Foram 103 mortes de mulheres só neste ano e 99 em todo o ano passado.

Para o Secretário de Direitos Humanos do Estado, Júlio Pompeu, um dos focos da campanha são as pequenas violências, que acontecem no cotidiano e muitas pessoas não percebem. “A pequena do assédio, a pequena no rock, quando as mulheres são pegas pelo braço, na piada de mal gosto. Tanto nas grandes quanto nas pequenas violências as mulheres se sentem desprotegidas e sentem não ter apoio da sociedade para se proteger”, explicou.

O secretário aponta que a cultura machista existe há muito tempo e que nenhuma política de enfrentamento por meio da polícia resolve a situação, mas ressalta a importância da Lei Maria da Penha. Ela acrescentou que o foco da campanha é que as pessoas entendam que é necessário denunciar as situações.

Também presente no lançamento da campanha, o Secretário Estadual de Segurança Pública e Defesa Social, André Garcia, acredita que só a polícia não resolve a situação. “Não é só governo. As ações estão aí, as políticas públicas implementadas, mas a violência acontece dentro de casa. Se nós, especialmente homens, não mudarmos a nossa cabeça, fica difícil”, acrescentou.

AÇÕES

Além da campanha, haverá o reforço de ações no interior do Estado, como conscientização com o ônibus da mulher, falando sobre a violência contra a mulher. Serão quatro municípios só neste mês e mais nove até o final do ano. A campanha publicitária será veiculada em rádio e TV, principais.

Outras campanhas serão lançadas até o final do ano. Entre elas no Sistema Transcol, para evitar assédio sexual nos coletivos da Grande Vitória.

Fonte: Gazeta Online

Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here