“Não desejo para as mães deles o que eles fizeram comigo”, diz mãe de homem morto após encontro por aplicativo

Bastante abalada, Márcia Diniz pediu Justiça pelo assassinato do filho, o economista Raul Bussolotti

A aposentada Márcia Diniz, 62 anos, mãe do economista Raul Bussolotti, 41, assassinado a tesouradas na própria casa na madrugada desde domingo (23), no bairro Santa Paula II, em Vila Velha, encontrou-se frente a frente com os dois suspeitos do crime na Delegacia Regional de Vila Velha e desabafou:

“Eu falei que não desejava para a mãe deles o que eles fizeram comigo. Que as mães deles tenham conforto porque nenhuma mãe merece ter filho bandido”, declarou. 

As primeiras informações dão conta de que a vítima foi morta pela dupla após marcar encontro num aplicativo de relacionamento com os suspeitos.

Bussoloti foi enterrado na tarde deste domingo (23) no cemitério Jardim da Paz, em Ponta de Fruta, em Vila Velha.

A mãe relembra que uma vizinha do rapaz a avisou que algo estranho estava acontecendo na casa do economista. “Uma vizinha me ligou, dizendo que ele estava gritando por socorro. Peguei meu carro e fui. Ela me avisou que já tinha chamado a polícia. Mas quando cheguei lá na casa do meu filho, ele já havia falecido”, relatou.

Ficou a lembrança de um filho carinhoso e atencioso com ela. Ele era o caçula e tinha outras duas irmãs. “Melhor filho do mundo, mais atencioso, mais carinhoso, que falava ‘mãe, eu te amo!’ o tempo todo. Que deixava bilhete na geladeira. Eu não tenho que reclamar disso”, reforçou.

Márcia disse que tinha o costume de faxinar a casa do economista, que morava sozinho, aos finais de semana. Mas, naquele sábado, ele disse que não precisava que ela fosse. “Pelo telefone, ele disse que estava tudo bem e que não precisava. Respondi então que o amava. Ele disse: ‘Também te amo muito, mãe’. Foi a última coisa que falei com ele”, recorda, emocionada.

A aposentada espera que a Justiça seja feita e que os responsáveis paguem pelo crime. “Eu tenho que ter fé e esperar que a Justiça seja feita. É difícil você mensurar uma mãe perder um filho porque a ordem natural das coisas é o filho enterrar a mãe mas Deus sabe o que faz. Deus está me confortando quanto a isso”, concluiu.

Economista usou aplicativo de relacionamento

O economista tinha marcado um encontro na própria casa por um aplicativo de relacionamento com os suspeitos, um rapaz de 18 e outro de 21 anos. Eles prestaram depoimento na delegacia e foram autuados em flagrante pelo crime de latrocínio, que é o de roubo seguido de morte.

Ambos foram encaminhados ao Centro de Triagem de Viana. Segundo os agentes responsáveis pelo caso, um deles é Pedro Henrique de Melo Bacini. O outro suspeito chama-se Robson mas a investigação ainda não tinha o sobrenome dele. Ambos já tinham passagem pela Polícia por outros crimes.

De acordo com testemunhas e vizinhos da vítima, a dupla chegou cedo na casa de Bussoloti e passou lá toda a tarde de sábado (22). Quando chegou a noite, a vítima foi morta a tesouradas após um desentendimento.

Foto: Reprodução TV Vitória
Suspeitos apontados pela Polícia Civil como autores do assassinato do economista Raul Bussolotti

Os suspeitos ainda tentaram levar vários pertences do economista, como a televisão. Eles chamaram um carro de aplicativo para poder sair do local com os objetos, mas a polícia chegou e quando abordou o veículo encontrou os materiais e prendeu a dupla. A polícia disse que os criminosos estavam muito alterados e teriam ido para a casa da vítima já com a intenção de praticar o roubo.

Fonte: Folha Vitória

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here