Procurador da Câmara de Itapemirim-ES, “marajá”, tem histórico de manipular poderes

Wanokzôr Alves Amm de Assis foi exonerado do Tribunal de Contas ma pedido do Ministério Público. Ele tem salário de marajá na Câmara de Itapemirim-ES e tem recebido orientações externas, segundo ouve-se nos bastidores.

O procurador da Câmara Municipal de Itapemirim-ES, Wanokzôr Alves Amm de Assis, é quem tem conduzido ou induzido os vereadores ao erro na instauração de CPI para afastar o prefeito Thiago Peçanha (PSDB). Seu histórico de fazer manobras dentro de instituições remonta desde 2012 quando era diretor no Tribunal de Contas do Espírito Santo.

Com um dos maiores salários do sul do Espírito Santo, variando entre R$ 30 mil e R$ 50 mil (quando se soma outras vantagens), Wanokzôr Alves tem dado prejuízo ao erário ao fomentar erros primários ou dolosos não afã de atender a interesses políticos desconhecidos. Ele pode virar alvo a qualquer momento a partir de mais uma investida mal sucedida de tomar poder alheio em assalto, deformando o devido processo legal.

Acredita-se que os próprios vereadores de oposição estão seguindo orientações do procurador em boa fé. No entanto, tem sido notório que o próprio procurador tem recebido orientação política externa para conturbar o processo político da cidade de Itapemirim, inclusive, tentando ludibriar o Juízo daquela Comarca.

FOI EXONERADO NO TCES A PEDIDO DO MINISTÉRIO PÚBLICO

“O Tribunal de Contas do Estado (TCES) exonerou ontem mais sete servidores ligados a Marcos Miranda Madureira. Após pedido do Ministério Público de Contas, o gabinete do conselheiro afastado deve ser fechado ainda hoje ou, no máximo, até a próxima segunda-feira.

Aliado de longa data de Madureira, Wanokzôr Alves Amm de Assis, que ocupava o cargo de chefe de gabinete do conselheiro, está entre os demitidos.

Nos bastidores havia a informação de que Wanokzôr tentava se manter no Tribunal mesmo que em outra função. Mas o peso histórico que carrega teria impossibilitado a permanência. Wanokzôr foi o diretor-geral do TCES na presidência de Madureira e Umberto Messias.”

(Jornal A Gazeta – 22/03/2012

SALÁRIO DE MARAJÁ (CLIQUE SOBRE A IMAGEM PARA AMPLIAR)

*De janeiro a maio, o procurador já faturou R$ 108.702,24

FICHA DO PROCURADOR QUE PODE SOBRE REVÉS NA SUA DEMANDA FUNCIONAL

Fonte: folhadoes.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here