Professores de pelo menos 103 escolas de educação particular de SP paralisam nesta terça-feira (29) em protesto contra revisão de benefícios trabalhistas

O impasse na negociação da convenção coletiva da categoria já dura 5 meses e foi parar no Tribunal Regional do Trabalho

Imagem ilustrativa

Os professores de pelo menos 103 escolas de educação básica da rede particular da cidade de São Paulo paralisaram as atividades nesta terça-feira (29) em protesto contra revisão de benefícios trabalhistas, segundo o Sindicato dos Professores de São Paulo (Sinpro-SP). Uma greve não está descartada.

O impasse na negociação da convenção coletiva da categoria já dura 5 meses e foi parar no Tribunal Regional do Trabalho. Segundo o sindicato, a proposta dos patrões retira importantes direitos estabelecidos pelo documento.

“A Convenção é muito importante porque regulamenta desde a admissão até o processo de demissão do professor. Os patrões querem modificar ou acabar com 40% dos direitos previstos”, afirma Silvia Barbara, diretora do Sinpro-SP.

Dentre as principais reivindicações da categoria, está manter os 30 dias de recesso remunerado no final do ano (o sindicato patronal quer reduzir para 23 dias) e o número de duas bolsas de estudo para os filhos dos professores. Eles também lutam contra o fim da garantia semestral de salários (que regula o valor recebido em caso de demissão), fim das férias coletivas e a possibilidade de redução de salários por acordo.

Na última quarta-feira (23), 37 escolas já haviam paralisado as atividades. Nova assembleia marcada para as 14h desta terça-feira definirá se os professores entrarão em greve.

Patronal

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado (Sieesp) afirma que mantém o diálogo e a disposição para negociar com os professores enquanto aguarda a decisão do TRT.

“Não queremos acabar com direitos dos professores. Fizemos todas as concessões possíveis. Propusemos até um aumento real no salário para compensar. Mas chegamos a um limite. É uma questão de sobrevivência que essas mudanças sejam feitas”, afirma Benjamin Ribeiro da Silva, presidente do Sieesp.

Segundo o presidente, o principal ponto para os patrões é a redução dos dias de recesso remunerado. “Não estamos conseguindo cumprir os dias letivos, que passaram de 180 para 200 por ano. Quem mais sofre com isso são as escolas menores e que atendem as classes B, C e D, porque não há como pagar hora extra”, diz.

O presidente afirma que continuará as negociações nos próximos dias. “Estamos abertos, mas essa mobilização continua sendo pouco expressiva. Nós representamos 10 mil escolas do estado e maioria dos professores não apoia essa greve”, afirmou.

Fonte G1

Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here