Tragédia na BR-101: “Meu filho vai fazer uma falta muito grande”, diz pai

O pai do comerciante Ozineto Francisco Rodrigues, o motorista de ônibus Edson Pereira Meyrelles, 65 anos, disse que só vai guardar boas lembranças do filho, que era conhecido como Neto.

“Meu filho vai fazer uma falta muito grande. Ele era um filho que sempre me respeitava. Para mim, isso é muito difícil. Ainda mais com a minha profissão, de motorista de ônibus”, desabafou o pai.

O motorista acredita que o dia a dia da profissão vai fazê-lo lembrar do acidente com o filho. “Eu não vou esquecer nunca. Até quando Deus me der vida, eu vou me lembrar do meu filho.”

Edson falou, ainda, da nora Danielli Martins e dos dois netos: Lucca e Gabriel, único sobrevivente do acidente.

”Perdi uma nora que era, para mim, uma filha. Perdi meu neto. E o outro está entre a vida e a morte. Torcemos para que fique bom logo, que se recupere e venha viver com a gente. Jamais vou abandoná-lo”.

Família passou uma semana de férias (Foto: Acervo pessoal)

Família passou uma semana de férias (Foto: Acervo pessoal)

Colega de trabalho de Danielli, a gerente de vendas Erlane Batista, 40 anos, lembrou que Dani – como era conhecida – planejou detalhes da viagem com muita empolgação.

“Era a viagem dos sonhos dela. Ela planejou tudo, cada detalhe. Onde iam parar, onde iam dormir”, contou a amiga, muito emocionada. “Dani era uma super profissional, muito dedicada. Era uma pessoa muito alegre. Uma ótima mãe também, muito zelosa”, disse.

Prima de Danielli, a pedagoga Marilza Aparecida Ângela, 45, contou que o casal morava com uma tia. “Minha tia cuidava deles como se fosse uma mãe. Hoje ela teve que ir para o hospital. Foi sedada e agora está sendo amparada pela família. Ela precisa muito de nós agora”.

Marilza destacou que a expectativa da família, agora, é pela recuperação de Gabriel. “Agora vamos pensar nele, cuidar dele. Ele agora é nosso. Vamos fazer por ele o que for necessário”, disse.

O pastor da igreja que a família frequentava, Renato Metzke, realizou um culto antes da chegada dos corpos, na noite de terça-feira (11). “A imagem que vai ficar deles não é a do acidente. É a imagem deles sorridentes e felizes”, declarou o pastor, durante o culto.

“São como filhos, o Neto e a Dani. A gente estava sempre no churrasco, sempre no monte orando, nas visitas, sempre juntos. Há cinco anos, quando eles foram visitar nossa igreja pela primeira vez, a gente ministrando no culto, ele decidiu entregar sua vida para Jesus, se libertou de vícios e de tudo o que o oprimia”, contou o pastor.

Fonte: Tribuna

Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here