“Uber” só de mulher começa a circular nesta segunda-feira (28)

Com o aumento dos casos de assédio cometidos por motoristas de aplicativo deu início a um novo mercado: o transporte exclusivamente para mulheres

Claucione Barros, criadora do FemiDriver, e algumas das motoristas do novo aplicativo: clientes se sentem mais seguras contra o assédio (Foto: Fábio Nunes/AT)

 

O aumento dos casos de assédio cometidos por motoristas de aplicativo deu início a um novo mercado: o transporte exclusivamente para mulheres.

No aplicativo FemiDriver, que chega ao Estado hoje, somente elas vão poder dirigir e só elas poderão ser passageiras.

O aplicativo, criado em Pernambuco, começa a funcionar na Grande Vitória com 125 motoristas cadastradas e prontas para atender à demanda daquelas passageiras que se sentem mais seguras em usar o transporte ao lado de uma outra mulher.

“O Espírito Santo será o segundo Estado a contar com o serviço. Em Pernambuco, ele teve início em abril e tem atendido à expectativa das passageiras”, afirmou a administradora Claucione Lemos, criadora do aplicativo.

A chegada do serviço ao Estado coincide com o aumento da presença feminina neste meio ainda dominado por homens.

Nas ruas da Grande Vitória já é comum observar as mulheres ao volante de carros que fazem o transporte por meio de aplicativos como Uber e 99Pop.

Algumas assumiram o volante para buscar uma alternativa para complementar a renda, enquanto outras ficaram desempregadas, como Mell Favoretti, 27 anos.

A motorista afirma que a criação de um aplicativo somente para as mulheres é uma demanda que ela ouve há quase dois anos, desde que começou a dirigir profissionalmente.

“Eu transporto muitas mulheres, e 90% delas falavam que deveria existir um aplicativo só com motoristas mulheres. Por conta do assédio dos homens, elas se sentem mais seguras”, disse.

O aplicativo FemiDriver está disponível para download. A tarifa será de R$ 2, mais R$ 1,12 por quilômetro rodado e R$ 0,20 por minuto de deslocamento. O valor mínimo da corrida é de R$ 6,75 e o pagamento poderá ser feito com dinheiro ou cartão de crédito.

A motorista Rachel Ramos, 53 anos, foi a primeira a se cadastrar no aplicativo e garante que a demanda é grande.

“As mulheres sempre quiseram um serviço assim. Ele é muito importante para adolescentes, mulheres que saem à noite e mães que querem levar suas filhas para algum lugar”, comentou.

Fonte TribunaOnline.
Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here