Nestlé fecha venda de Serenata de Amor e outras marcas, diz colunista

Vendas são exigências do Cade para, enfim, selar a fusão com a fábrica capixaba de chocolates Garoto, encrenca que se arrasta há quinze anos

Foto: Reprodução

A Nestlé deve anunciar em outubro a venda das dez marcas que o Cade exigiu que deixassem o portfólio para que a compra da Garoto seja, enfim, aprovada. A informação é de Lauro Jardim, do Globo. Ainda de acordo com o colunista, entre as marcas que devem mudar de dono estão “Serenata de Amor”, “Lollo”, “Chokito” e “Sensação”.

Em abril deste ano, o Valor Econômico já havia divulgado que a gigante contratou a Credit Suisse, em Londres, para arranjar compradores para as dez marcas que teria de vender para atender às exigências do Cade e, enfim, selar a fusão com a fábrica capixaba de chocolates Garoto, encrenca que se arrasta há quinze anos. Na ocasião a Nestlé foi acionada, mas não quis comentar o assunto.

A reportagem tenta contato com a assessoria da Nestlé.

HÁ UM ANO, DIRETOR NEGOU VENDA DO SERENATA DE AMOR

Em setembro de 2016, o diretor da Garoto, Liberato Milo, disse em entrevista exclusiva ao jornal A Gazeta que “a venda do Serenata de Amor é fofoca“. E completou: “Eu diria que é fofoca profissional. O processo é comandado pelo Cade, não por nós. Nós não temos nenhum acordo com relação a isso. Qualquer acordo que formos fazer é pensando no longo prazo”.

LONGA BRIGA

2002

A Nestlé adquire a Garoto após leilão. Em fevereiro de 2004, porém, o Cade veta a operação. Logo a Nestlé e a Garoto apresentaram pedido de reapreciação, mas o Cade negou.

2007

A Justiça Federal de Brasília se manifestou a favor da operação. O Cade apelou da decisão. Em 2010, após a 5ª Turma do TRF anular o veto à compra, foram interpostos embargos.

Maio de 2016

O Cade anunciou a reabertura do caso. O conselheiro relator, Alexandre Cordeiro, emitiu despacho estabelecendo diretrizes a serem cumpridas para efetivar a “proposta de solução” oferecida no chamado “ato de concentração” da Nestlé/Garoto. Os conselheiros do Cade validaram as propostas acertadas pelo relator, que permanecem sigilosas.

Próximos passos

Agora, a Nestlé terá que cumprir o que prometeu ao Cade dentro de prazo sigiloso – não há tempo mínimo ou máximo nos regramentos do Conselho. Assim que executar as medidas que ofereceu, o caso volta a ser analisado pelo Cade mais à frente. Ainda não há solução final.

Fonte: Gazeta Online

Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here