Policiamento é reforçado e circulação de ônibus volta ao normal após tiroteio na Serra

Um dia depois do tiroteio que mudou a rotina dos moradores no bairro Planalto Serrano, na Serra, as ações de segurança continuam reforçadas no local. Agentes da Guarda Civil Municipal e viaturas da Polícia Militar circulam pela região para garantir o retorno das linhas do Transcol e o funcionamento do comércio.

As linhas de ônibus 895, 880, 866, 855 e 829, que foram afetadas pela insegurança, na manhã de terça-feira (02), voltaram a operar na região durante a tarde. Nas primeiras horas desta quarta-feira (03), a circulação dos coletivos estava normal.

O reforço do policiamento foi em seguimento ao trabalho realizado no dia anterior, em Planalto Serrano, quando policiais militares foram deslocados para o bairro e fizeram uma chamada operação de saturação, percorrendo diversas ruas da região, em busca dos criminosos.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Douglas Caus, o setor de inteligência da PM mapeou os locais onde os criminosos poderiam estar. Durante a operação, foram feitas diversas abordagens em ônibus, carros e motos.

“Estamos fazendo uma megaoperação de saturação com as tropas especializadas, com a Força Tática, com o policiamento ostensivo, pontos de blitz, bloqueio e abordagem a pessoas. Nossa presença aqui é em virtude, principalmente, de dois fatores: primeiro, para trazer tranquilidade à sociedade, ao cidadão que mora nessa localidade. E, segundo, para dar um recado claro para o tráfico de drogas, de que nós não iremos permitir, em hipótese alguma, nenhum tipo de ameaça para qualquer profissional de comunicação”, destacou o comandante.

“A nossa missão, durante a semana, é continuarmos com o policiamento forte na região, para identificarmos os indivíduos que fizeram a ameaça aos profissionais da imprensa. Identificar, caçar e prendê-los. Nós vamos nortear o nosso policiamento de acordo com as informações do disque-denúncia, como também da nossa inteligência. Nesse momento, além da presença física do policiamento ostensivo, nós já estamos fazendo um trabalho forte de atividade de inteligência, no sentido de identificar essas pessoas e prendê-las”, completou.

Também reforçam a segurança na região agentes da Guarda Municipal da Serra. Os guardas realizam patrulhamento nos blocos B e C, com abordagens a pedestres.

Tiroteio

A madrugada de terça-feira foi de terror no bairro e resultou em um homem baleado. Segundo informações da polícia, a vítima contou que estava em um bar, na praça do Bloco B do bairro, quando um carro preto, com ocupantes armados, passou atirando. O rapaz, que tem um alvará de soltura, foi atingido no pé. Segundo a polícia, ele já teve passagem pela Justiça por homicídio.

De acordo com moradores do bairro, o tiroteio aconteceu por volta das 5 horas. Eles disseram que tudo durou cerca de 35 minutos e que, mesmo depois de o homem ser baleado, os disparos continuaram. Os moradores ainda contaram que os disparos foram ouvidos nos três blocos do bairro. Segundo eles, teriam ocorrido várias trocas de tiros. No Bloco C, por exemplo, a parede de uma casa teria sido atingida por um dos disparos.

Ameaças a equipes de reportagem

Durante a manhã, duas equipes de reportagem que estavam no bairro, fazendo a cobertura do tiroteio, foram ameaçadas e impedidas de realizar os trabalhos. O repórter Diony Silva, da TV Gazeta, fazia uma entrada ao vivo do local onde os ônibus estavam estacionados, quando uma dupla passou, de moto, e exigiu que a câmera fosse desligada.

Quando o repórter e o cinegrafista se dirigiam ao carro, já com a câmera abaixada, um tiro foi disparado pelos suspeitos. Várias pessoas que estavam no ponto de ônibus correram. Os jornalistas passam bem.

As duas redes de comunicação se posicionaram sobre o ocorrido. Confira, na íntegra, a nota divulgada pela Rede Gazeta e Rede Tribuna.

Rede Gazeta:

A Rede Gazeta lamenta o episódio de violência sofrido pelas equipes da TV Gazeta e da TV Tribuna. Também se solidariza com todos os cidadãos que, dia após dia, se veem reféns da criminalidade e da ousadia de bandidos.
A Rede Gazeta destaca, ainda, que segue um código de conduta para preservação de seus funcionários. O nosso jornalismo não se intimidará com este episódio e continuará atuando, com precisão e equilíbrio, a favor da sociedade.

Rede Tribuna

Estamos assustados com o ataque grave às equipes da TV Tribuna e da TV Gazeta no bairro Planalto Serrano, na Serra. Nossa equipe cobria a paralisação do transporte público na região quando foi covardemente intimidada por criminosos armados. É inadmissível viver sob ameaças de bandidos, no ofício da nossa profissão. São ameaças reais mostradas ao vivo e gravadas pelos jornalistas. A TV Tribuna é solidária à nossa repórter Suzy Faria e ao nosso cinegrafista Sérgio Porto. E aos colegas da TV Gazeta, Diony Silva e Fernando Estevão. Esperamos providências e segurança para continuarmos dando voz ao povo capixaba.

Fonte: Folha Vitória

Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here