Prédio antigo pega fogo e mais um bombeiro vira herói

Já passava das 13 horas quando uma correria tomou os 23 andares do edifício Aldebaran, na avenida Princesa Isabel, no centro de Vitória: cerca de 350 moradores deixaram os 118 apartamentos enquanto a unidade 1902 ardia em chamas.

Como o sistema hidráulico do prédio falhou e os elevadores pararam de funcionar, o Corpo de Bombeiros teve trabalho dobrado unindo 15 mangueiras, da avenida ao 19º andar. Enquanto isso, sargento Rubinaldo – junto de seus 15 companheiros – descia com idosos e cadeirantes em meio à fumaça.

Moradores do prédio e curiosos que assistiam ao trabalho dos bombeiros elogiaram a atitude do sargento e de seus companheiros.

O esforço, no sobe e desce de degraus, em meio ao calor intenso, fez com que Rubinaldo passasse mal, precisando de socorro e inalar oxigênio. No impulso de salvar mais vidas, deixou a ambulância, contrariando os socorristas, e voltou ao edifício.

O combate às chamas seguiu com a descida de cachorros, moradores chorando de desespero, crianças de colo e muitos idosos.

Prédio é evacuado após apartamento pegar fogo em Vitória
Fumaça em janela do edifício Aldebaran, no Centro

A moradora Priscilla Dias Gomes, de 28 anos, desceu correndo com seu filho e contou que ouviu explosões.

Enquanto isso, os extintores dos corredores seguiam não sendo suficientes para controlar as chamas, que destruíram a cozinha e área de serviço do apartamento.

O guarda municipal Ronison Alberti foi um dos primeiros a chegar ao número 1902. “Parecia um forno de siderúrgica. Era muita fumaça, mas nosso medo maior era o fogo se alastrar”.

Enquanto os moradores aguardavam na calçada, a moradora do apartamento em chamas, a dona de casa Ana, de 57 anos (ela não quis divulgar o sobrenome), descia com as mãos queimadas, na tentativa de tentar salvar pertences.

As três horas de combate acabaram sem vítimas e com os moradores podendo voltar para sua casas – exceto o 1902, que ficou interditado. O 1º Tenente Bragança disse que não foi possível detectar onde o fogo começou e que só a perícia identificará os detalhes. “O setor de vistoria e a Defesa Civil foram acionados. Um engenheiro vem amanhã (hoje) decidir se libera ou não o apartamento”, contou.

Sistema hidráulico do prédio falhou

Acionados às 13h09 para conter o incêndio, o Corpo de Bombeiros se deparou com o sistema hidráulico do edifício Aldebaran sem funcionamento. Sem conseguir usar a estrutura do prédio, tiveram que adotar outra estratégia.

“Chegamos às 13h15 e tivemos que mudar de estratégia: fizemos uma ligação direta de mangueiras do 19º andar até o caminhão no térreo. Fomos ligando mangueira em mangueira, num serviço exaustivo, difícil, mas que foi feito com destreza. O problema todo é montar esse esquema no 19º. Se fosse nos primeiros pavimentos, em sete minutos o esquema estaria pronto para combate. Mas enquanto isso, o fogo já estava bem grande. As chamas já estavam para o lado de fora”, contou o 1º Tenente Bragança.

À reportagem, o síndico Vilmar de Oliveira, 52, confirmou que houve uma “entrada de ar no sistema hidráulico, o que dificultou a rapidez da ação de combate”. “Deve ter sido numa manutenção feita no último dia 17, na caixa d’água. Deve ter entrado água no cano. Infelizmente, foi uma fatalidade”.

Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here