Renato Casagrande provoca insatisfação no PPS por indefinição em disputa política

Resultado de imagem para renato casagrande
Foto: Reprodução

A indefinição do ex-governador Renato Casagrande (PSB) sobre se irá concorrer ao governo do Estado ou ao Senado Federal já começa a provocar insatisfação em círculos do PPS, do prefeito de Vitória, Luciano Rezende, seu aliado.

 O ex-governador sinaliza para o governo, mas deixa aberta a possibilidade de poder disputar o Senado. O mercado avalia que essa seria a opção mais acertada, considerando que uma derrota como candidato ao governo seria desastrosa para sua imagem e apressaria o fim de sua carreira política.

 Como base de sustentação do ex-governador, o PSB e o próprio Casagrande se articulam com desenvoltura em nível nacional, mas no Estado atuam de forma bastante tímida, retardando a definição de objetivos e gerando um descompasso entre os nomes que deverão fazer parte das coligações dos dois partidos.

 Em sentido contrário, o PPS busca o fortalecimento eleitoral e acaba de receber um novo quadro representado pelo prefeito de Vitória Luiz Paulo Vellozo Lucas, com boa densidade eleitoral. O partido se movimenta para compor chapas principalmente para o Senado e a Câmara Federal. Mas esbarra na indefinição do parceiro.

 Com esse cenário, há um retardamento no contexto geral. Um exemplo vem do deputado  estadual bruno Lamas, do PSB, que não sabe se concorre à reeleição ou tenta uma vaga na Câmara Federal.

 Da cota do prefeito Luciano Rezende, os nomes dos supersecretário Fabrício Gandini e do secretário de Obras, Sérgio de Sá (PSB), aguardam a definição do ex-governador para confirmarem se irão concorrer em 2018 e quais os cargos da disputa.

 Na mesma situação, está Tyago Hoffman, secretário municipal de Transportes, Trânsito e Infraestrutura Urbana, ligado a Casagrande. Ele ainda não sabe se irá mesmo para a disputa de uma cadeira na Assembleia Legislativa ou aguardar 2020 para tentar a Prefeitura de Guarapari. Ainda não testado nas urnas, Hoffman foi alçado na política pelo ex-governador, mas não conseguiu penetrar nos círculos mais próximos de Luciano Rezende e com maior poder de decisão.

Informações Século Diário
Continua depois da Publicidade:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here